sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Primeiro dia do cessar-fogo na Síria tem violações isoladas

Menino caminha por área destruída pelos confrontos em Wadi Al-Sayeh, na cidade síria de Homs. (Foto: Yazan Homsy/Reuters)Confrontos em várias províncias expõem fragilidade do acordo costurado por Rússia e Turquia. ONG afirma que, apesar de violações isoladas, trégua está sendo respeitada na maior parte do país. Em vigor desde a meia-noite, o cessar-fogo foi mantido em grande parte da Síria nesta sexta-feira (30), apesar de confrontos isolados que resultaram em ao menos uma pessoa morta, afirmou o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH), uma ONG que tem uma ampla rede de contatos no país.
Em declarações à agência de notícias Efe, o diretor do Observatório, Rami Abdel Rahman, disse que o acordo está sendo respeitado em 90% das áreas incluídas na trégua. O Observatório registrou violações por parte dos rebeldes na província meridional de Deraa e do regime nas províncias de Damasco, Hama e Idlib.
As violações expuseram a fragilidade do acordo negociado entre Turquia e Rússia na mais recente tentativa de encerrar um conflito que já dura seis anos. Segundo o OSDH, com sede em Londres, as forças leais ao presidente Bashar al-Assad e facções rebeldes lutavam pela manhã na área do Vale do Barada, onde combatentes da oposição cortaram suprimentos de água para a capital. Um morador também confirmou o som de bombardeios na área.
Rahman não soube precisar quem iniciou os confrontos, com cada um dos lados culpando o inimigo. Antes de a trégua começar, o governo sírio havia bombardeado a área, a fim de pressionar os rebeldes a aceitarem um "acordo de reconciliação" e deixarem a área.
Entre as forças presentes no local está a Frente Fateh al-Sham, conhecida como Frente al-Nusra até romper formalmente com a rede terrorista Al Qaeda, em agosto. Segundo o governo da Síria, tanto a Frente Fateh al-Sham como o grupo extremista "Estado Islâmico" (EI) estão excluídos do cessar-fogo. Os rebeldes, no entanto, insistem que a trégua vale para todo o território ocupado pela oposição.
No início da manhã, o OSDH também relatou confrontos entre tropas do regime e jihadistas na província de Hama. Os combates teriam causado a morte de pelo menos seis combatentes leais ao governo de Assad. Além disso, jatos sírios lançaram ao menos 16 ataques aéreos na província.
A entidade também informou sobre confrontos intermitentes na região de Guta Oriental, principal reduto rebelde na periferia de Damasco, onde um pessoa foi morta, assim como disparos de combatentes do regime contra a população de Sakik, no sul da província de Idlib, controlada por milícias opositoras.
Menino caminha por área destruída pelos confrontos em Wadi Al-Sayeh, na cidade síria de Homs. (Foto: Yazan Homsy/Reuters)