sexta-feira, 17 de agosto de 2018

Nova fotografia do telescópio Hubble registra aproximadamente 15 mil galáxias

Se nos sentimos pequenos diante de toda a imensidão da galáxia em que vivemos, tente imaginar como seria a sensação de termos uma visão geral de diversas outras galáxias que compõem o nosso universo. Pois é, isso agora é possível graças a uma publicação recente feita pela NASA, que divulgou nesta última quinta-feira (16) uma incrível foto panorâmica com cerca de 15 mil galáxias.
Esta imagem impressionante, registrada pelo telescópio espacial Hubble, só foi possível mediante a combinação de sensores de luz ultravioleta, captação infravermelha e de registros de luz visível. Conforme comentou a NASA, essa é “uma das maiores vistas panorâmicas do fogo e da fúria do nascimento de estrelas no Universo distante”, mostrando também as numerosas estrelas que estão em formação em boa parte dessas galáxias.“Ao comparar imagens de formação estelar no universo distante e próximo, os astrônomos podem adquirir uma melhor compreensão de como as galáxias vizinhas cresceram em um passado muito distante a partir de pequenos aglomerados de jovens estrelas quentes”, explicaram os especialistas da NASA.

Bolsonaro chama de 'analfabeto' quem critica seu plano de governo

O candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, durante cerimônia de formatura de sargentos da Polícia Militar de São Paulo (Foto: Paula Paiva Paulo/G1)O candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, disse nesta sexta-feira (17), ao ser questionado sobre as críticas ao seu plano de governo, que quem critica é “analfabeto” e não sabe interpretar. O presidenciável não se referiu a ninguém em específico.
Bolsonaro deu a declaração na chegada à cerimônia de formatura de sargentos da Polícia Militar de São Paulo, no Anhembi, zona norte da capital paulista. Esse é o primeiro evento a que ele comparece após o início do período de campanha eleitoral nas ruas, na quinta-feira (16).
“Eu não posso responder a esse analfabeto que falou isso. Se o cara não sabe interpretar, eu não posso fazer nada”, afirmou.
Segundo o candidato, “as pessoas que realmente estão preocupadas com a política e o futuro do Brasil gostaram do plano”.
Ele disse ainda que o plano é uma “diretriz”, uma “intenção”. “O plano é uma diretriz, é uma intenção. Vocês nunca cobraram plano de ninguém, de quem se elegeu. Nunca deram atenção a isso. Eu botei claramente o que nós pretendemos fazer. Mostramos um norte ali”, disse.

Pose e foto

Bolsonaro acompanhou a solenidade no palanque ao lado de outras autoridades, entre elas o governador de São Paulo, Márcio França (PSB).
Durante o evento, Bolsonaro e os demais políticos desceram do local para cumprimentar os PMs formandos e houve um alvoroço.
Formandos e parentes deles se aproximaram para tietá-lo e fazer fotos. Sorridente, o candidato fazia pose, ora de braços cruzados ora imitando o gesto de uma arma com as mãos, inclusive ao lado de crianças fardadas. Para conseguir retornar ao palanque, ele precisou ser escoltado. Bolsonaro foi o único candidato a presidente que solicitou escolta da Polícia Federal.

Governo de SP

Em discurso dirigido aos formandos, Márcio França, que disputa a reeleição ao governo, disse que a profissão de policial militar "exige diálogo", mas também "pulso firme".
"Tenho dito que a farda é uma extensão da bandeira de São Paulo, tem que ser respeitada. Mas, para isso, é preciso que exerçam a função como fizeram até agora: com disciplina, ordem e respeito. A tarefa que vocês vão exercer agora exige diálogo e generosidade, mas também pulso firme", afirmou.

quarta-feira, 15 de agosto de 2018

Olavo de Carvalho é bloqueado pelo Facebook

O escritor Olavo de Carvalho, guru da direita radical, informou no início da tarde desta terça-feira, (14) que suas duas páginas no Facebook serão bloqueadas por trinta dias. Com o bloqueio, o escritor, cujas páginas têm cerca de 400 mil curtidas, ficará impossibilitado de usar o site durante quase todo o período eleitoral.
“Recebi um aviso de que minhas duas páginas do FB estarão bloqueadas por trinta dias, por conta de uma piadinha que fiz tempos atrás contra uma dupla de celerados – Carlos e Jorge Velasco –, que fazia anos vinham cometendo contra mim toda sorte de crimes por meio do próprio Facebook sem que a alta sensibilidade moral que esta organização se arroga mostrasse diante disso a menor inconformidade”, afirmou. “O uso da ‘Central de Ajuda’ também está bloqueado”, acrescentou Olavo.

terça-feira, 14 de agosto de 2018

Chefe do Pentágono visita o Brasil em missão para conter influência chinesa

Jim Mattis no PentágonoCom os olhos na China, o secretário de Defesa dos EUA, Jim Mattis, começou no domingo sua primeira viagem à América do Sul. Em suas paradas no Brasil, Argentina, Chile e Colômbia, o objetivo do chefe do Pentágono será fortalecer as relações militares com Washington e conter a crescente influência de Pequim na região. “Essas relações são críticas para um hemisfério ocidental [o continente americano] colaborativo, próspero e seguro”, disse o Departamento de Defesa.
Nesta segunda-feira, Mattis se reuiu em Brasília com com os ministros Joaquim Silva e Luna, da Defesa, e Aloysio Nunes Ferreira, das Relações Exteriores. Na pauta do encontro estão as alternativas para avançar na cooperação nas áreas técnica, científica, político-militar e indústria de defesa. 
Nos encontros oficiais no Brasil, o secretário de Defesa americano tratou de três temas que são discutidos há ao menos dois anos entre as duas nações: o aproveitamento do centro de lançamento de satélites de Alcântara (Maranhão), a cooperação na área de defesa cibernética e a ajuda humanitária à Venezuela que estava numa situação. “Alinhamos algumas percepções sobre o que pensamos sobre defesa no continente americano”, disse o ministro de Defesa do Brasil, Joaquim Silva e Luna.A Casa Branca declarou 2018 o “ano das Américas” e, de acordo com o Pentágono, a viagem do general reformado dos Fuzileiros Navais reflete os “fortes laços de defesa” com os quatro países que visitará. Laços que, no entanto, parecem não interessar ao presidente Donald Trump, que não viajou para a região. Iria fazê-lo em abril, mas cancelou sua participação na cúpula das Américas, no Peru, para preparar a operação militar contra o regime sírio por conta do uso de armas químicas.
A Casa Branca mantém um bom relacionamento com seus principais aliados latino-americanos, em parte graças a sua forte posição em relação à crise venezuelana, mas também provocou tensões na região com sua política anti-imigraçãoe sua deriva protecionista.
A viagem de Mattis, que em setembro do ano passado esteve no México, começa no Brasil, onde terá reuniões com altos comandantes militares e fará um discurso. De lá, seguirá para a Argentina e o Chile para finalmente chegar à Colômbia, onde se encontrará com membros do novo Governo de Iván Duque.
A crise na Venezuela vai pairar sobre a viagem, especialmente na Colômbia, mas também no Brasil, que reforçou significativamente sua cooperação militar com os Estados Unidos nos últimos anos. De fato, soldados norte-americanos participaram em novembro de treinamentos conjuntos com seus colegas brasileiros como preparação para possíveis crises humanitárias.
Como parte de sua estratégia expansionista, a China reforçou nos últimos anos seus laços com alguns dos países que Mattis visitará, como a Argentina, onde Pequim construiu uma base espacial. “Estamos preocupados que a China tem uma maneira de fazer negócios que não necessariamente responder da melhor forma possível aos interesses dos nossos parceiros no hemisfério”, explicou a um grupo de jornalistas o subsecretário adjunto de Defesa para Assuntos do Hemisfério Ocidental, Sergio de la Peña, informa a agência Efe.
Como também fez na África, Pequim multiplicou seus investimentos na América Latina na última década e também a concessão de créditos, o que lhe permite ganhar peso diplomático. “Eles são generosos com seus empréstimos, mas se você não puder pagar, eles receberão algum tipo de compensação em troca”, avisou de la Peña.

Secretário dos EUA discute com brasileiros defesa na América do Sul

Pela primeira vez no Brasil, o secretário de Defesa dos Estados Unidos (EUA), James Mattis, desembarcou em Brasília e abriu a agenda oficial na manhã de hoje (13) ao se encontrar com o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira. À tarde, o responsável pelo Pentágono tem uma reunião fechada com o ministro da Defesa, Joaquim Silva e Luna, seguida por vários encontros bilaterais dentro do Ministério da Defesa.
Mattis ainda tem agenda na América do Sul até sexta-feira (17) com visitas ao Chile e à Colômbia.
Ainda sem confirmação oficial, há expectativa de que Mattis conceda entrevista coletiva ao lado de Silva e Luna, por volta das 15h, para ressaltar temas tratados em torno de acordos e parcerias entre os dois países. Um assunto que interessa ao Brasil e pode vir à tona nas conversas é a retomada do acordo para a construção da base de lançamento de satélite de Alcântara (MA).Em seguida, Mattis embarca para o Rio de Janeiro. Na capital fluminense, ele fará palestra sobre defesa na Escola Superior de Guerra amanhã. Também está planejada visita ao monumento à Segunda Guerra Mundial, no Aterro do Flamengo. Depois, ele segue para Buenos Aires, na Argentina.

Venezuela

Jim Mattis, como é conhecido pela imprensa norte-americana, ocupa um dos postos mais importantes do governo e está desde o início da administração Trump na pasta. Há expectativa de que na viagem à América do Sul seja tratada a crise na Venezuela.Nos últimos dias, a suposta tentativa de assassinato do presidente venezuelano Nicolás Maduro refletiu em uma série de medidas contra opositores locais. Uma delas foi a ordem de prisão de dois deputados de oposição e mais 19 suspeitos.
O Brasil e 11 países que integram o Grupo de Lima emitiram nota de repúdio à repressão de partidos de oposição e defenderam uma investigação transparente sobre o atentado.
Maduro sinalizou que aceita a colaboração do FBI nas investigações desde que apure também supostos vínculos nos Estados Unidos.

terça-feira, 7 de agosto de 2018

José Serra é diagnosticado com câncer de próstata

O senador José Serra (PSDB), de 76 anos, foi diagnosticado com câncer de próstata. O tumor está localizado – ou seja, não saiu da glândula. Além disso, é de um tipo pouco agressivo. O câncer foi identificado durante exames de check-up realizados na semana passada.
De acordo com Miguel Srougi, professor titular de urologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e cirurgião do Hospital Sírio Libanês, em São Paulo, em casos desse tipo, por causa da baixa agressividade do tumor, a conduta médica é apenas monitorar o câncer.