sábado, 1 de julho de 2017

Fotos revelam os detalhes de uma oficina de drones do Estado Islâmico

oficina-eiO Estado Islâmico tem cada vez mais usado drones e outros dispositivos explosivos improvisados (IEDs, na sigla em inglês) robóticos contra alvos americanos, iraquianos e civis no Iraque. E à medida que a Coalizão luta em Mosul, tropas estão descobrindo oficinas repletas de robótica bruta mas mortal usada para bombardear pessoas, ocasionalmente dezenas de vezes por dia.




A agência Getty Images acabou de publicar fotos de uma fábrica do Estado Islâmico que está produzindo máquinas mortíferas robóticas em massa, incluindo drones aéreos e bombas robóticas de quatro rodas. As fotos nos dão um vislumbre das novas maneiras como os robôs do Estado Islâmico estão sendo feitos para espalhar morte e destruição.
A ofensiva contra os combatentes do Estado Islâmico na batalha por Mosul matou supostamente pelo menos um fabricante de drones que trabalhava para o EI, embora não tenha sido possível para o Gizmodo confirmar isso de forma independente.
“Uma casa de descanso secreta do EI, usada para o lançamento de drones, nos arredores de Tal Afar, a oeste de Mosul, foi fortemente atacada no começo da terça-feira (27), deixando o membro responsável pelos drones, Abu Hafsa, e alguns companheiros mortos”, uma fonte anônima contou ao AlSumaria News.
Mas as forças americanas e iraquianas continuam a avançar por Mosul e já tomaram o controle da Grande Mesquita de Al-Nuri, onde o Estado Islâmico se formou. Embora seja uma tremenda vitória simbólica, ainda há muito trabalho a ser feito antes que os fabricantes de drones e robôs do EI sejam retirados de seus postos de uma vez por todas.
Imagem do topo: Getty Images
http://gizmodo.uol.com.br/wp-content/blogs.dir/8/files/2017/06/oficina-ei-1.jpg

http://gizmodo.uol.com.br/wp-content/blogs.dir/8/files/2017/06/oficina-ei-3.jpg

Robôs primitivos, como o visto no canto esquerdo superior desta foto, são parecidos com as primeiras bombas robóticas usadas na Segunda Guerra, por forças americanas e nazistas (Martyn Aim/Getty Images)