quarta-feira, 14 de junho de 2017

TEMER Arreganha os cofres públicos para tentar se manter no poder.

Para tentar sobreviver no cargo, Michel Temer vai escancarar o Tesouro. Uma das estratégias é abrir os cofres públicos para os Estados. 

Resultado de imagem para temer  e os governadoresEm jantar oferecido no Palácio da Alvorada, na noite desta terça-feira, 13, aos governadores para tratar da regulamentação do refinanciamento da dívida dos Estados com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES),  Michel Temer defendeu "uma solução" para as dívidas que somam R$ 50,46 bilhões.
A renegociação dos débitos com o banco de fomento deverá ter duas etapas. A primeira fase se dará ainda este ano, com a renegociação de R$ 20 bilhões em dívidas com garantia da União, segundo uma fonte presente à reunião.
A segunda fase inclui a renegociação de R$ 30 bilhões de dividas sem garantia da União, incluindo a linha BNDES Copa. Esse refinanciamento só será efetivado a partir de janeiro de 2018. A medida é importante para dar um alívio de caixa aos Estados, que enfrentam crise financeira.
O governador do Piauí, Wellington Dias, disse ao Estadão/Broadcast que a reunião foi importante porque se estabeleceu um novo cronograma para a renegociação das dívidas. "Esperamos que agora seja cumprido pelo governo”, disse. O Estado do Piauí estima um alívio de R$ 180 milhões com a medida, que seriam usados em investimentos.
“Todos saímos satisfeitos com a forma como as coisas se deram, objetivas. Pedimos prazos curtos e soluções rápidas”, disse Perillo. Segundo o governador de Goiás, não houve por parte dos Estados pedido por mudanças nas condições de pagamento negociadas no ano passado, apenas por celeridade no processo.