quarta-feira, 22 de março de 2017

DEFESA DE EDUARDO GUIMARÃES REPUDIA NOTA DA JUSTIÇA FEDERAL DO PARANÁ

Diante da grande repercussão causada pelo arbítrio ocorrido hoje pela manhã, quando Eduardo Guimarães foi submetido à condução coercitiva a mando do juiz Sérgio Moro, a Justiça Federal do Paraná se manifestou. Buscando desqualificar os 12 anos de atuação jornalística de Eduardo Guimarães, a nota afirma que o Blog da Cidadania é “veículo de propaganda política”. Leia a íntegra da nota e a resposta da defesa, que repudia os argumentos utilizados para justificar a ilegalidade da condução coercitiva. #equipeEdu

NOTA DA JUSTIÇA FEDERAL DO PARANÁ
O senhor Carlos Eduardo Cairo Guimarães é um dos alvos de investigação de quebra de sigilo de investigação criminal no âmbito da Operação Lava Jato, ocorrida antes mesmo de buscas e apreensões. Neste contexto, apura-se a conduta de agente público e das pessoas que supostamente teriam divulgado informações sigilosas e que poderiam ter colocado investigações em risco. Eduardo Guimarães não foi preso, mas conduzido coercitivamente para prestar declarações e já foi liberado.
Pelas informações disponíveis, o Blog da Cidadania é veículo de propaganda política, ilustrado pela informação em destaque de que o titular seria candidato a vereador pelo PCdoB pela a cidade de São Paulo. Juntos aos cadastros disponíveis, como ao TSE, o próprio investigado se autoqualifica como comerciante e não como jornalista.
As diligências foram autorizadas com base em requerimento da autoridade policial e do MPF de que Carlos Eduardo Cairo Guimarães não é jornalista, independentemente da questão do diploma, e que seu blog destina-se apenas a permitir o exercício de sua própria liberdade de expressão e a veicular propaganda político partidária.
Não é necessário diploma para ser jornalista, mas também não é suficiente ter um blog para sê-lo. A proteção constitucional ao sigilo de fonte protege apenas quem exerce a profissão de jornalista, com ou sem diploma. A investigação, por ora, segue em sigilo, a fim de melhor elucidar os fatos.

NOTA DA DEFESA DE REPÚDIO À MANIFESTAÇÃO
A Defesa repudia a nota oficial da Justiça Federal do Paraná, que, de maneira autoritária e contrariando o posicionamento do STF, pretende definir quem é ou não jornalista de acordo com juízos de valor sobre as informações e opiniões veiculadas em determinado meio de comunicação. Condicionar a qualificação de ‘informação jornalística’ ao conteúdo das manifestações não tem outro nome: é censura.
No mais, é inquestionável que o fato em apuração (divulgação pública de uma informação) foi praticado no exercício de atividade jornalística. Pouco importa se ele também exerce a profissão de comerciante, é óbvio que ao divulgar publicamente estava se praticando atividade jornalística. Mais do que um direito individual do cidadão Eduardo, viola-se a garantia de acesso à informação de toda a sociedade, essencial ao Estado Democrático de Direito.
Fernando Hideo Lacerda, advogado de defesa