sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Jair Bolsonaro negocia aliança com Silas Malafaia para 2018

O Deputado Federal Jair Bolsonaro(PSC-RJ) revelou que teve contato com o pastor Silas Malafaia, da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, para tratar sobre uma eventual aliança na corrida presidencial de 2018.
"— Fiz uma amizade com o Malafaia de dez anos para cá. Acho um cara excepcional — afirmou Bolsonaro: — O segmento evangélico está de olho na presidência em 2018 e fico feliz em estar no radar deles."
Marcha dos políticos supostamente para Jesus no Rio de Janeiro: o ... - wordpress.comO Deputado Federal Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ) revelou que Silas Malafaia ainda não decidiu se apoiará o Bolsonaro ou o senador Ronaldo Caiado (DEM-GO), que ainda não decidiu se disputará a corrida presidencial em 2018, mas decidirá até março deste ano.
Bolsonaro é o político em maior acensão no Brasil, sua página no Facebook supera até mesmo a página do ex-presidente Luís Inácio Lula Da Silva, que possui 2.470.220 likes ante os mais de 3,6 milhões de Bolsonaro. Nem mesmo a ex-presidente Dilma Rouseff tem mais likes que o deputado, perde por quase 500 mil.
Uma das possíveis razões para tanto crescimento em sua popularidade é por ele ser um político ficha limpa e livre de envolvimentos em esquemas de corrupção, além de ser um dos poucos políticos que representam o conservadorismo, movimento esse que perdeu espaço na Câmara de Deputados para o progressismo.
Bolsonaro defende castração química para estupradores, porte de arma para cidadãos livres de antecedentes criminais, luta contra políticas progressistas, defende voto impresso para evitar fraudes, porém o deputado ganhou holofotes por suas declarações polêmicas. Um dos vídeos mais conhecidos de Bolsonaro é um em que ele discute com a deputada Maria do Rosário, onde ela acusa-o de "estuprador" e ele rebate chamando-a de "vagabunda".
Em um episódio mais recente, Bolsonaro ganhou destaque na votação doimpeachment, onde homenageou o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra,em seu voto à favor positivo do impeachment da até então presidente Dilma Rouseff. Além disso também teve uma grande repercussão por conta do cuspe que recebeu do Deputado Federal Jean Wyllys (PSOL-RJ) também durante a votação.