quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Estado Islâmico está ‘se livrando’ dos gatinhos em seu território

O Estado Islâmico (ISIS) emitiu uma fatwa contra gatos e argumentou que os animais são contra a "visão, ideologia e as crenças de um jihadista”.A nova lei, introduzida por clérigos do ISIS proíbe a criação de gatos em ambientes internos na cidade iraquiana de Mosul. As pessoas que vivem no "califado” do Estado Islâmico foram alertadas para não violar a proibição que parece já estar em vigor. Os integrantes do ISIS já começaram a vasculhar residências à procura de filhotes de gato.

Estado Islâmico determinou que gatos estão proibidos em seu território de domínio. Foto: Reprodução/TwitterA nova fatwa é inesperada especialmente depois de tantos membros do grupo terrorista terem postado fotos online de si mesmos com pequenos felinos.Porém, isso parece ter tudo sido apenas uma propaganda para atrair uma nova geração de jovens combatentes. Um relatório da ONU divulgado em 2014 revelou que 15 mil jihadistas de 80 países reuniram-se no Iraque e na Síria depois de verem as fotos de gatos ao lado de AKs-47 e homens mascarados.
 
Segundo o relatório, o ISIS reconheceu o "o valor do recrutamento por múltiplos idiomas e plataformas, mensagens nas mídias sociais” e decidiram usar os gatos para parecerem mais acessíveis.Em um feed do Twitter, integrantes do ISIS foram mostrados alimentando e brincando com os gatinhos, assim como posando ao lado deles enquanto seguravam suas armas.Em 2015, o recrutador do ISIS Omar Hussein postou uma foto de sua gata, Lucy, enrolada dentro de um cinto de explosivos.
 
Ao lado da imagem, Hussein, que já trabalhou como um guarda de segurança na Morrisons, escreveu: "Chegue mais perto e eu vou explodir a casa inteira!”Em outra ocasião, o jihadista Dutch Israfil Yilmaz recebeu 10 mil propostas de casamento depois que postou fotos de si mesmo segurando um filhote de gato.Ele colocou a seguinte legenda na imagem: "Gentileza com a criação de Allah, mas ferocidade e hostilidade com os descrentes”, revelou o Metro.