segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Advogado diz que cliente recebeu dinheiro do PSDB no exterior

Resultado de imagem para serraO advogado do empresário Ronaldo Cézar Coelho disse que o cliente dele recebeu, no exterior, dinheiro do PSDB, e que seria um ressarcimento por gastos de campanhas tucanas. Uma reportagem do Jornal Folha de S.Paulo afirma que o pagamento foi feito pela Odebrecht.
“Foi ressarcido pelo partido, combinou esse ressarcimento com o ex-presidente do partido Sergio Guerra. O partido pediu que ele indicasse uma conta bancária lá fora, ele indicou e o partido ressarciu as despesas que ele havia tido”, afirmou Antonio Claudio Mariz.

Em dezembro, o Jornal Nacional mostrou que, no acordo de delação premiada, o ex-diretor da Odebrecht Carlos Armando Paschoal, conhecido como “Cap”, disse ter pago ilegalmente R$ 23 milhões para a campanha de Serra.
José Serra, atualmente ministro das Relações Exteriores, informou, por nota, que todas as campanhas eleitorais dele foram feitas de acordo com a lei, com as finanças sob a responsabilidade do partido.
A reportagem da "Folha de S.Paulo" mostra que, segundo a Odebrecht, o dinheiro foi repassado em uma conta na Suíça. A Folha afirma que a explicação de Ronaldo Cezar Coelho para os repasses da Odebrecht está alinhada a depoimentos de executivos da empreiteira de que as transferências não envolveram o pagamento de propina, mas de caixa dois. A TV Globo confirmou as informações.
O advogado disse à TV Globo que o empresário não falou para ele que o dinheiro tinha sido depositado pela Odebrecht. Ronaldo Cezar não quis dar entrevista.
“Eu acho muito estranho que a Folha tenha dito ter ele admitido ter recebido qualquer importância da Odebrecht, porque nem para mim ele admitiu isso. O que posso dizer é que, efetivamente, na qualidade de fundador do partido, colaborou com a campanha de 2009, como já fizera em campanhas anteriores. Colaborou exclusivamente cedendo seu avião durante a pré-campanha de 2009 e a campanha de 2010. Essa foi a colaboração dele”, disse o advogado.
Mariz disse que Ronaldo Cezar usou os benefícios da lei de repatriação para regularizar os recursos não declarados que tinha no exterior, inclusive o dinheiro pago pelo PSDB.
“Ele teve despesas com o avião, porque o emprestou, como fizera em outras campanhas, e o partido depositou ressarcindo-o em uma conta bancaria lá fora, que agora foi regularizada de acordo com a lei que vigorou até dia 31 de outubro”, explicou o advogado.
Especialistas ouvidos pela Folha disseram que recursos de caixa dois não podem ser incluídos no programa de repatriação.
O PSDB declarou que considera que o ministro José Serra já se manifestou de maneira adequada sobre a questão.
A Odebrecht disse que não se manifesta sobre o assunto, mas reafirma o compromisso de colaborar com a Justiça. E que está adotando as melhores práticas baseadas na ética, transparência e integridade.