sábado, 5 de novembro de 2016

Protesto em Seul pede a renúncia de presidente envolvida em escândalo

Milhares de agentes da polícia estavam mobilizados neste sábado (5) em Seul antes de uma grande manifestação para pedir a renúncia da presidente Park Geun-Hye, envolvida em um escândalo político.
População faz manifestação neste sábado (5) para pedir a renúncia da presidente da Coreia do Sul, Park Geun-Hye (Foto: Ed Jones/AFP)Apesar de ter pedido desculpas na sexta-feira (4) em uma mensagem na televisão, na qual anunciou que responderia às perguntas do Ministério Público sobre o caso, é aguardada uma manifestação com cerca de 40.000 pessoas na capital da Coreia do Sul.O caso explodiu no mês passado, quando Choi Soon-Sil, uma amiga muito próxima de Park, foi acusada de desvio de fundos e intromissão em assuntos de Estado aproveitando sua influência pessoal sob a presidente.
A polícia proibiu os manifestantes de ir às ruas argumentando problemas de tráfego, mas é possível que eles tentem chegar à Casa Azul, a sede da presidência, onde há 20.000 agentes mobilizados.
Em sua mensagem de sexta-feira, a presidente conservadora disse que o escândalo envolvendo sua amiga foi "tudo culpa minha", mas negou ter caído nas mãos de uma seita, como afirmam alguns meios de comunicação.
Choi, de 60 anos, é acusada de aproveitar sua relação com Park para forçar várias companhias a doar grandes somas de dinheiro a fundações privadas que depois usava em benefício próprio.
Choi foi presa formalmente na quinta-feira acusada de fraude e abuso de poder, mas o que mais chocou a opinião pública são as acusações de intromissão em assuntos de Estado e o fato de ter tido acesso a documentos confidenciais, apesar de não ocupar nenhum cargo.
Manifestação levou milhares de pessoas para as ruas de Seul (Foto: Ed Jones/AFP)Manifestação levou milhares de pessoas para as ruas de Seul (Foto: Ed Jones/AFP)
Manifestação em Seul (Foto: Ed Jones/AFP)Manifestação em Seul (Foto: Ed Jones/AFP)