sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Nº de corpos em caminhão achado na Áustria passa de 70, diz polícia

Autoridades forenses isolam caminhão  estacionado em estrada da Áustria em que dezenas de imigrantes foram encontrados mortos (Foto: AFP PHOTO / DIETER NAGL)A polícia austríaca afirmou, nesta sexta-feira (28), que 71 corpos estavam no caminhão frigorífico abandonado no leste da Áustria. O veículo, que havia deixado a Hungria, foi encontrado, na quinta-feira (27), em uma área de descanso de uma estrada do estado de Burgenland.De acordo com o chefe da polícia local, no caminhão estavam 59 homens, oito mulheres e quatro crianças, segundo a agência Reuters.Quatro suspeitos de envolvimento com o caso foram detidos. A polícia húngara informou que os suspeitos são três búlgaros e um afegão, ainda de acordo com a Reuters.Quatro suspeitos de envolvimento com o caso foram detidos. A polícia húngara informou que os suspeitos são três búlgaros e um afegão, ainda de acordo com a Reuters.As indicações iniciais sugerem que as vítimas teriam morrido por sufocamento, de acordo com o jornal austríaco "Krone", citado pela Reuters. Entre as vítimas a polícia suspeita que esteja um grupo de migrantes sírios já que um documento de identificação foi encontrado com eles. 

O chefe da polícia do estado de Burgenland, Hans Peter Doskozil, disse que, após o incidente, o policiamento será intensificado em Burgenland para recrudecer o controle na fronteira com a Hungria, que enfrenta a chegada em massa de migrantes.
O veículo foi encontrado quando patrulheiros viram fluidos de corpos em decomposição saindo da porta traseira. “É possível estimar que as mortes tenham ocorrido de um dia e meio a dois dias atrás”, disse Hans Peter Doskozil, chefe da polícia na província de Burgenland.
A polícia local informou que os refugiados poderiam estar mortos quando o veículo entrou no país, entre a noite de quarta-feira (26) e a manhã desta quinta, afirmou a polícia local.
Hungria
Janos Lazar, chefe de gabinete do premiê húngaro, Viktor Orbán, criticou a União Europeia (UE) por não ser capaz de controlar a entrada de migrantes. "Os acontecimentos dos últimos dias mostraram que a UE é incapaz de defender suas fronteiras", disse em coletiva de imprensa.
A chanceler alemã, Angela Merkel, disse estar abalada com o caso. “Estamos comovidos com essa terrível notícia. É uma advertência para nos colocarmos a trabalhar, resolver o problema e demonstrar nossa solidariedade”, declarou, segundo a agência France Presse.
Crise migratória
Dezenas de milhares de refugiados de regiões em crise no Oriente Médio e na África têm tentado chegar à Europa. Países, como a Grécia, a Itália, Macedônia e a Hungria, são obrigados a lidar com a chegada em massa dos migrantes.

Hungria bateu um novo recorde na entrada de migrantes na quarta. Segundo a polícia, 3.241 pessoas entraram no país atravessando a fronteira com a Sérvia. A maioria dos refugiados deixou a Síria, o Afeganistão e o Paquistão. Entre eles, estão 700 crianças, segundo a agência France