quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Alerj arquiva projeto que propõe multa a quem ridicularizar religião

A presidência da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) decidiu nesta terça-feira (25) arquivar o projeto de lei 540/15, do deputado Fábio Silva (PMDB), que estabelecia multa de até R$ 270 mil para quem satirizasse ou ridicularizasse símbolos de qualquer religião. 

"Como o projeto recebeu parecer contrário de todas as comissões técnicas por que passou, o regimento determina o arquivamento", informou o presidente da Alerj, deputado Jorge Picciani (PMDB).

Autor da proposta, Fábio Silva disse que vai recorrer porque a Comissão de Defesa Civil, presidida pelo deputado Flávio Bolsonaro (PP), deveria ter dado seu parecer.

"O projeto foi arquivado com ressalvas. Entrarei com recurso na presidência e na Comissão de Constituição e Justiça pedindo para que esse parecer seja colhido em plenário".
 
O deputado Carlos Minc (PT) questionou o projeto, alegando que instituir previamente uma censura à sátira é proibido pela Constituição.

"Vendo o resultado de todas as comissões, levantei a questão de ordem para a mesa diretora. O presidente Picciani acatou e o projeto vai para o arquivo. Os excessos têm que ser condenados e os prejudicados podem ir à Justiça”, disse.

Em seu parecer, Minc disse que citou o voto da ministra Carmen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), na ação que discutiu a autorização prévia de biografados:
"Ela disse que nenhuma lei pode tirar a liberdade de opinião que a Constituição garante".
AI-5 de Jesus
De manhã, Picciani se reuniu com o deputado Marcelo Freixo (Psol), com os humoristas Marcelo Adnet e João Vicente De Castro, e com representantes da Rede Mobilizadora Meu Rio.

"O princípio dessa lei é ruim, é o princípio do cerceamento do direito de expressão em nome de um controle religioso, de opinião, que é muito grave. Isso nada tem a ver com respeito às religiões, remonta a um período ditatorial de que ninguém tem saudade. Quem ganha é a democracia, quem ganha é a sociedade brasileira", disse Freixo.
O deputado Marcelo Freixo foi um dos que votaram contra o projeto de lei.

"É um dos piores projetos que já tramitaram na Alerj. É o AI-5 de Jesus. Completamente inconstitucional, porque cerceia a liberdade de expressão, cria a censura e mais do que isso: esse projeto não garante respeito à religiosidade, pelo contrário, prega a intolerância, que é o que democracia e a religião não precisam", disse ele, mencionando o Ato Inconstitucional considerado o mais duro golpe na democracia, que deu poderes quase absolutos ao regime militar.
Manifestação contra a homofobia na 19ª Parada do Orgulho LGBT na Avenida Paulista, neste domingo (7)  (Foto: (Foto: Reuters/Joao Castellano))Encenação na 19ª Parada do Orgulho LGBT
(Foto: Reuters/Joao Castellano)
O projeto
Na proposta do projeto de lei 540/2015, em seu artigo 1 consta: "Fica proibido em todo território do Estado do Rio de Janeiro, durante manifestações públicas, sociais, culturais e/ou de gênero, a satirizarão, ridicularização e/ou toda e qualquer outra forma de menosprezar ou vilipendiar dogmas e crenças de toda e qualquer religião."
“O Brasil é um país pacífico, mas não podemos deixar que a falta de respeito se fomente no nosso país. Discordar da religião alheia é um direito, mas respeitar a fé alheia, mesmo não concordando, é um dever, uma obrigação”, diz o deputado, que é filho do pastor, empresário e ex-deputado Francisco Silva.
Na justificativa para colocar o projeto de lei em votação, o deputado afirma que no dia 8 de junho recebeu muitos telefonemas de pastores, amigos e eleitores chocados com o episódio ocorrido na 19ª Parada do Orgulho LGBT, realizada no dia anterior em São Paulo, em que uma transexual encenou a crucificação de Jesus como protesto contra agressões sofridas por homossexuais. Segundo o deputado, houve a cobrança de uma solução para que tal situação não aconteça no Estado do Rio.
Nova edição da Charlie Hebdo (Foto: GloboNews)Edição do jornal satírico Charlie Hebdo após o
atentado que deixou 12 mortos (Foto: GloboNews)
“A 19ª Parada do Orgulho LGBT, realizada em São Paulo, chocou o país como um todo. Não só pela passeata em si, mas pelo desrespeito e intolerância religiosa que ficou evidente na infeliz encenação da crucificação de Jesus por um transexual.  Busquei regulamentar via legislação estadual tal fato, de forma que todos, concordando ou não com a crença alheia, obrigatoriamente se respeitassem. Daí surgiu a ideia de fomentar no Estado do Rio, mesmo que através de sanções, o respeito e a tolerância religiosa”, explicou.
Fábio Silva lembrou ainda o atentado ao jornal satírico francês Charlie Hebdo, em janeiro. “O insulto à crença de um povo motivou esse absurdo, que foi a morte de 12 pessoas”, ressaltou o deputado.
Delegacia especializada
Na terça-feira (18), em audiência pública na Alerj, foi apresentado relatório do Centro de Promoção da Liberdade Religiosa & Direitos Humanos (Ceplir), ligado à Secretaria de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos, que informa que em dois anos e meio quase mil denúncias de casos de intolerância religiosa foram registradas.