sábado, 28 de fevereiro de 2015

BOLSA AUMENTO CONTA DE LUZ: Aneel aprova tarifa extraordinária

Nesta segunda-feira (2), o brasileiro vai sentir na pele, ou melhor no bolso o quanto será o simples tocar em um interruptor para ligar uma lâmpada, pois a conta de luz vai subir e muito. Afinal, prevalece o velho ditado, “da-se com um mão e tira com a outra”. No ano passado, vivemos a ilusão de que nossa conta de luz sofreria uma redução, no entanto, já em 2015, a pancada que está sendo dada nos consumidores brasileiros, em especial aos que moram nas regiões Sul, Sudeste e Centro Oeste, chega ao absurdo do 39,5% de aumento sobre o que é consumido. Ao todo são 58 concessionárias que estão aplicando as novas tarifas exorbitantes.
A revisão tarifária extraordinária para essas empresas foi aprovada nesta sexta-feira (27) pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), e a previsão é de aumento médio de 23,4%.
Quem mais vai sentir no o aumento são aqueles brasileiros que são servidos pela AES Sul, com um aumento de 39,5%, seguida da Bragantina com 38,5%, Uhenpal de 36,8% e finalmente a Copel, com aumento de 36,4%.
Entre as distribuidoras que aplicaram os menores reajustes estão a Celpe (2,2%) e a Cosern (2,8%). Talvez a energia por lá seja mais barata, lembrando que vivemos em um único território (país), e agora a desigualdade chega também nas contas de energia elétrica.
Também começam a valer na semana que vem os novos valores para as bandeiras tarifárias, que permitem a cobrança de um valor extra na conta de luz, de acordo com o custo de geração de energia. Além da revisão extraordinária, as distribuidoras passarão neste ano pelos reajustes anuais, que variam de acordo com a data de aniversário da concessão.
Segundo a Aneel, a revisão leva em consideração diversos fatores, como o orçamento da CDE deste ano, o aumento dos custos com a compra de energia da Usina de Itaipu – por causa da falta de chuvas -, o resultado do último leilão de ajuste – que aumentou a exposição das distribuidoras ao mercado livre – e o ingresso de novas cotas de energia hidrelétrica. “No ano passado e neste ano, o custo da energia elétrica tem sido realmente alto, porque o regime hidrológico não está favorável, temos despachado todas as térmicas, que têm um custo mais alto”, explicou o diretor-geral da Aneel, Romeu Rufino.
A revisão extraordinária está prevista nos contratos de concessão das distribuidoras e permite que a Aneel revise as tarifas para manter o equilíbrio econômico e financeiro do contrato, quando forem registradas alterações significativas nos custos da distribuidora, como, por exemplo, modificações de tarifas de compra de energia, encargos setoriais e de uso das redes elétricas. Na tarde de hoje, a Aneel também aprovou o orçamento da CDE para este ano, que prevê repasse de R$ 22 bilhões para a conta dos consumidores de energia.
Entre dezembro de 2014 e fevereiro de 2015, várias empresas solicitaram a revisão extraordinária, por causa da falta de chuvas e da maior necessidade de compra de energia de termelétricas, que é mais cara.]
Veja abaixo os percentuais de reajuste por distribuidora:
Celpe2,20%
Cosern2,80%
Cemar3,00%
Cepisa3,20%
Celpa3,60%
Energisa PB3,80%
Celtins4,50%
Ceal4,70%
Coelba5,40%
Energisa Borborema5,70%
Sulgipe7,50%
Energisa SE8,00%
CPFL Sta Cruz9,20%
Coelce10,30%
Mococa16,20%
Ceron16,90%
CPEE19,10%
João Cesa19,80%
Cooperaliança20,50%
Eletroacre21,00%
Santamaria21,00%
Chesp21,30%
CSPE21,30%
CEEE21,90%
Light22,50%
CJE22,80%
Ienergia23,90%
CEB24,10%
Elektro24,20%
Celesc24,80%
Bandeirante24,90%
ENF26,00%
Escelsa26,30%
Cemat26,80%
Energisa MG26,90%
Eflul27,00%
Eletrocar27,20%
Celg27,50%
DME-PC27,60%
Enersul27,90%
Cemig28,80%
CPFL Piratininga29,20%
EDEVP29,40%
CPFL Paulista31,80%
Hidropan31,80%
CFLO31,90%
Eletropaulo31,90%
Forcel32,20%
Caiua32,40%
Demei33,70%
Muxfeldt34,30%
Cocel34,60%
CNEE35,20%
RGE35,50%
Copel36,40%
Uhenpal36,80%
Bragantina38,50%
AES Sul39,50%
*Opinião: Enfim, a questão é a seguinte: O Brasil não está e nunca esteve preparado para suprir a demanda de energia elétrica de uma forma mais limpa, que neste caso, seriam mesmo as hidrelétricas, e com a autorização do Governo Federal, o ar do Brasil passou a ser ainda mais poluído, com a utilização das Usinas Termétricas. Não dá pra saber se foi descaso ou incompetência mesmo, pois com tantos anos no poder, nem Lula, muito menos Dilma, conseguiram encontrar soluções para a crise energética no país, sofrendo durante este período vários apagões, sendo que alguns deles foram mascarados até mesmo como sendo ruptura ou falha nos sistemas de distribuição.
O país da Copa 2014, O país do Futebol, o País que almeja, veja bem, “almeja” sair da situação de emergente para chegar a um país de primeiro mundo, tem mais preocupação com determinadas ações sociais, muitas vezes também mascaradas – a intenção das máscaras, que o leitor use seu discernimento – está bem longe de deixar de ser emergente.
Com braçadas fortes no lamaçal da corrupção, nos vemos de mãos e pés atados, simplesmente à mercê, dos atuais políticos que, quer queira quer não, fomos nós mesmos que escolhemos.
A indignação quanto ao aumento da conta de Luz (energia elétrica), pode ser notada nas redes sociais, como o Facebook e Twitter.
Todo mundo falando do aumento da conta de luz, mas acabam por se esquecer de que tudo será afetado. Sabia que a quitanda, supermercado, escola de seu filho, o salão de cabeleireiro, entre outros locais de comércio prestação de serviço, utilizam energia elétrica. Bom o resultado só pode ser um: Tudo será inflacionado, tudo deverá sofrer o aumento de preços, e o consumidor que já vai pagar mais caro para ter luz em casa, ainda deverá sofrer o repasse dos gastos da conta de luz de todos os comércios e prestadores de serviço.
Indignação, com a falta de consciência. Não importa! Seja aquele que mora no Morumbi ou em Alphaville, ou mesmo os que moram nas muitas comunidades carentes de São Paulo, da Região Sul e Sudeste, receberão o mesmo tratamento, com isso recebendo bolsa família e as demais bolsas ou não, com certeza será afetado pelo aumento da conta de Luz.